Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Proteínas alternativas se destacam com novas tecnologias

White-paper-Proteínas alternativas se destacam com novas tecnologias

Proteínas alternativas se destacam com novas tecnologias
Além da ascensão dos vegetais, indústria de alimentos investe em carne de laboratório, proteína do ar e fermentação.

No prato de comida do brasileiro já há espaço para muitas possibilidades de proteínas que vão além daquela de origem animal e, cada vez mais, da vegetal também. Isso se dá pelo desejo do consumidor, mas também pelo investimento da indústria nesses tipos de alimentos. De acordo com pesquisa divulgada em março pelo The Good Food Institute Brasil, o setor de proteínas alternativas recebeu investimento recorde de $ 5 bilhões em 2021, 60% a mais do que em 2020.

Assim, a indústria de alimentos está investindo em novas tecnologias para desenvolver as proteínas alternativas. A fermentação surgiu como uma inovação para melhorar as características dessas proteínas e já está sendo aplicada em grande escala, como nos explica Marcelo Doin, CEO e fundador da NoMoo

Já a BRF, gigante da indústria de proteína animal, junto com a startup israelense Aleph Farms, deve trazer a carne cultivada em laboratório para o mercado brasileiro em breve, segundo o gerente executivo de Inovação e Novos Negócios da BRF, Demetrio Teodorov, em entrevista ao Food Connection. Além disso, uma startup brasileira já tem um protótipo de hambúrguer com carne cultivada, afirma a fundadora da Ambi Real Food, Bibiana Matte.

Pouco divulgada ainda, mas já em fase avançada de teste, a proteína alternativa mais inovadora do momento é a proteína do ar. Para saber mais sobre essa inovação, conversamos com Tiago Coroa, gerente de serviços técnicos da ADM na América Latina.

Enquanto isso, a Anvisa e o MAPA se ocupam em aprovar uma regulamentação que contemple as novas proteínas, e Júlia Coutinho, diretora executiva da Regularium, nos descreve como está este cenário. 

Para conferir as entrevistas e se atualizar sobre o cenário de novas proteínas alternativas na indústria de alimentos, baixe gratuitamente o Ebook da FiSA. Boa leitura!

Registre-se para fazer download desse recurso

Cadastre-se e receba informações de ponta, pesquisas e opinião de especialistas sobre o setor alimentício, da indústria ao food service. Tenha acesso a todo conteúdo premium.