Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Entenda a importância da economia circular para a indústria de alimentos e bebidas

economia circular.png
A economia circular na indústria de alimentos e bebidas vai além da sustentabilidade: pode ser uma oportunidade de melhorar resultados e processos nas empresas

A economia circular na indústria de alimentos e bebidas é definida como todas as atividades que visam reduzir, reutilizar e reciclar materiais em toda a cadeia de valor dos produtos. Ela representa a transição de um modelo extrativo linear, para um circular, baseado em princípios de eliminação de resíduos e poluição, mantendo produtos e materiais em uso, e regenerando sistemas naturais.

"Alguns temas-chave da economia circular são: eficiência de uso de recursos naturais, aproveitamento integral de insumos, 'reciclar/reutilizar/reaproveitar' e conscientização do consumidor e de seu papel na cadeia de consumo", resume Jorge Behrens, docente e pesquisador da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp.

Economia circular para a indústria de alimentos e bebidas: mais do que uma exigência, uma oportunidade

Os consumidores estão mais ecologicamente conscientes do que nunca e mais cuidadosos com suas escolhas de alimentos e bebidas. Isso traz à indústria o desafio de incorporar práticas sustentáveis ​​em todas as partes de sua cadeia de abastecimento; da fazenda à mesa.

Assim, ser sustentável e se preparar para a economia circular na indústria de alimentos e bebidas não é apenas fazer a coisa certa para o meio ambiente. Também pode ser uma forma de aumentar a afinidade da marca com seus clientes e, até mesmo, economizar dinheiro e minimizar perdas.

Dessa forma, seus princípios podem ser aplicados a tudo, desde o processamento de alimentos até a embalagem. Implementada da maneira certa, a economia circular na indústria de alimentos e bebidas reduz desperdícios, ajuda a tornar processos mais eficientes, contribui para uso mais inteligente de energia e outros recursos, pode impulsionar a inovação, agrega valor duradouro ao negócio e gera aos produtos uma vantagem competitiva.

Melhores processos de fabricação e redução de desperdício

A economia circular traz a possibilidade de as indústrias minimizarem o desperdício, otimizando os processos de fabricação por meio de melhor tecnologia e treinamento da força de trabalho. As empresas também podem reciclar alimentos que normalmente seriam desperdiçados na linha de produção ou criar novos produtos com sobras de subprodutos e ingredientes.

Ainda, pode-se considerar a implementação de abordagens regenerativas para a produção de alimentos e buscar formas de cultivo de um modo que aprimore, em vez de degradar o meio ambiente. A agricultura regenerativa se concentra na regeneração da camada superficial do solo, que inclui a reciclagem de resíduos agrícolas, cultivo de cobertura, rotação de culturas e agricultura mista.

Inovação e diversificação de portfólio com a economia circular na indústria de alimentos e bebidas

A mudança para uma economia circular também envolve um uso mais completo dos ingredientes e subprodutos. Isso já está gerando diversas oportunidades.

Por exemplo, empresas estão criando novos produtos a partir de resíduos de alimentos (subprodutos). A ReGrained, de São Francisco, está usando grãos residuais da produção de cerveja para produzir barras nutricionais e lanches. A Planetarians, startup focada em proteínas alternativas, está produzindo proteína vegetal a partir de sementes de girassol desengorduradas e recicladas.

Os subprodutos alimentares também podem encontrar novas aplicações na indústria de cuidados pessoais. A Keracol, com sede no Reino Unido, criou uma linha de tinturas naturais e produtos para os cabelos a partir da polpa da groselha.

Assim, a economia circular é mais do que uma iniciativa de sustentabilidade - trata-se também de ajudar as indústrias a gerenciar melhor seus recursos e resíduos de forma eficiente. Com isso, o desperdício tradicional dessa cadeia pode ser reduzido, monetizado e distribuído pelas cadeias de suprimentos e redes de valor.

Entretanto, Behrens destaca que, para essas iniciativas terem os resultados esperados, as empresas precisam envolver seus consumidores no movimento da economia circular na indústria de alimentos e bebidas.

 "É especialmente importante o papel do consumidor na economia circular, pois é ele que vai optar por um alimento produzido com ingredientes sustentáveis, provenientes de um sistema de produção justo e que faz uso racional de recursos naturais; vai escolher um produto uma embalagem ambientalmente correta; vai pensar em qualidade sensorial com qualidade nutricional. Enfim, sem o engajamento do consumidor, continuaremos na economia linear", avalia o especialista.

Indústria 4.0 e economia circular na indústria de alimentos e bebidas: convergência de transformações nas empresas

A Indústria 4.0 é caracterizada pela integração de diferentes tecnologias de base digital nos processos de produção, a fim de aumentar a eficiência e a competitividade da empresa.

Com base na conectividade de objetos e sistemas ciberfísicos, tem-se o embrião para uma ‘fábrica inteligente’ e uma nova organização das capacidades que conduzem a melhorias na produtividade e a uma alocação de recursos aprimorada e mais ambientalmente sustentável.

Assim, a economia circular na indústria de alimentos e bebidas tem uma combinação orgânica e promissora com a Indústria 4.0. 

Na verdade, acredita-se que essa convergência não seja mera coincidência, mas uma necessidade, pois ambos os fenômenos representam faces da mesma moeda, uma vez que a Indústria 4.0 fornece as tecnologias que permitem o desenvolvimento de novos modelos de negócios circulares, e a economia circular incentiva, promove e dá sentido ao desenvolvimento dessas tecnologias. Essa ideia tem se fortalecido e dado lugar ao conceito de Economia Circular 4.0.

Afinal, a quarta revolução industrial é muito mais do que uma mudança tecnológica. É, também, um fenômeno econômico, social e ambiental.

Se pensarmos sobre alguns dos problemas que levam ao desperdício de alimentos na fase de fabricação, há falhas técnicas, superprodução e inconsistência em processos produtivos, por exemplo. 

Assim, ter sistemas semiautônomos e máquinas inteligentes pode ajudar a prever avarias em estágios iniciais, otimizar as quantidades de alimentos necessários para a produção e garantir a consistência e padronização dos processos para evitar quaisquer problemas de integridade do produto ou desperdícios.

Quanto a esse aspecto, Jorge Behrens comenta que "o desafio da indústria alimentícia é ter um olhar sobre toda a cadeia, desde a produção até o consumidor, e isso passa por focar na redução de perdas e desperdício. Com a Indústria 4.0, pode-se ter a capacidade de monitoramento e rastreamento ao longo de toda a cadeia, usando, por exemplo a IoT  (Internet das Coisas)", finaliza o especialista.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar