Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Colômbia regulamenta uso de derivados de cannabis em alimentos

Colômbia emite regulamentação para uso de derivados de cannabis em alimentos.png
O novo regulamento permite o uso de componente vegetal, grãos e derivados não psicoativos do cannabis para alimentos e suplementos alimentares. Saiba mais neste artigo de Eugenia Muinelo.

Em fevereiro de 2022, na Colômbia, os Ministérios da Justiça e do Direito, o Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural e o Ministério da Saúde e Proteção Social, emitiram o regulamento para o uso de cannabis não psicoativo para uso industrial e medicinal, por meio da Resolução 227/2022.

Este novo regulamento complementa o adotado no ano passado através do Decreto 811/2021, que definiu protocolos e mecanismos para o cultivo e produção de cannabis.

O regulamento estabelece as bases para as regras de cultivo de cannabis, os processos de obtenção de licenças, além de definir licenças e regras específicas para uso como ingrediente em alimentos, bebidas e suplementos alimentares, entre outros.

Tanto para alimentos e bebidas como para suplementos alimentares, podem ser utilizados o componente vegetal, grãos e derivados não psicoativos do cannabis, para os quais o Ministério da Saúde e Proteção Social deve estabelecer o limite de tetrahidrocanabinol (THC) permitido, e uma regulamentação específica para o conteúdo de canabidiol (CBD), para cada categoria, alimentos e suplementos.

Da mesma forma, todos esses produtos podem utilizar imagens das partes da planta autorizadas para a categoria no rótulo do produto acabado. Também será obrigatório declarar a porcentagem de THC presente.

No caso de alimentos e bebidas, os requisitos microbiológicos, aditivos e materiais de embalagem devem seguir as normas já vigentes para alimentos e bebidas, bem como o certificado de Boas Práticas de Fabricação. Para produtos de exportação exclusivos, o limite de CBD e THC poderá ser o do país de destino.

Os suplementos alimentares também devem atender às normas da categoria. No caso de querer usar alegações nutricionais ou de saúde relacionadas ao uso de cannabis, a autorização deve ser solicitada à Sala Especializada de Produtos Fitoterápicos e Suplementos Alimentares do Instituto Nacional de Vigilância Alimentar e Medicamentosa (INVIMA).

Assim, a Colômbia se junta à tendência já incorporada por países como Uruguai e Equador que permite o uso de derivados de cannabis em alimentos e suplementos alimentares. Espera-se que outros países sigam o mesmo caminho. Para saber o que vem por aí, acompanhe os meus artigos.

Eugenia Muinelo, Gerente de Assuntos Regulatórios em EAS Strategies

 

LEIA MAIS:

Equador autoriza o uso de cannabis e seus derivados como ingrediente em alimentos e suplementos alimentares

Uruguai aprova uso de derivados de cannabis como ingredientes alimentares

Confira as principais mudanças esperadas na regulamentação de alimentos em 2022

Argentina aprova Lei sobre Rotulagem Nutricional Frontal

Novidades regulatórias de suplementos alimentares na América Latina

 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar