Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Tudo o que você precisa saber sobre aromatizantes alimentares

Article-Tudo o que você precisa saber sobre aromatizantes alimentares

aromatizantes-alimentares.jpg

Aromatizantes alimentares são aditivos usados para realçar ou modificar sabores e aromas, proporcionando flexibilidade na formulação de alimentos. Conheça os principais tipos e saiba como eles contribuem para a indústria.

Os aromatizantes alimentares são substâncias adicionadas aos alimentos com o propósito de realçar ou modificar seu sabor e aroma. Eles desempenham um papel fundamental na indústria, pois permitem a criação de experiências sensoriais únicas, tornando os produtos mais atrativos para os consumidores. 

Desde bebidas e laticínios até produtos de panificação e confeitaria, os aromatizantes são amplamente utilizados para garantir que os alimentos não só tenham um gosto agradável, mas também despertem o olfato e aumentem a percepção de qualidade.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é a responsável pela regulamentação e controle do uso de aromatizantes sintéticos ou naturais. O órgão estabelece normas rigorosas para garantir que esses aditivos sejam seguros para o consumo e estejam em conformidade com os padrões de qualidade alimentar.

Por esse motivo, entender tudo sobre aroma alimentar e as diretrizes da Anvisa é crucial para qualquer profissional do setor de alimentos. A seguir, conheça os tipos de aromatizantes, seus usos na indústria e a regulamentação vigente. 

Relacionado: FiSA 2024 promove debates e destaca soluções para os maiores desafios do setor de ingredientes, alimentos e bebidas

O que é aromatizante alimentar?

Os aromatizantes alimentares são substâncias utilizadas na indústria de alimentos para conferir, realçar ou modificar o sabor e aroma dos produtos. Eles são essenciais para criar experiências sensoriais agradáveis, tornando os alimentos mais atrativos e apetitosos.

A produção envolve diferentes métodos, dependendo do tipo de aromatizante:

  • Extração natural: inclui técnicas como prensagem a frio, destilação e extração com solventes naturais para obter compostos aromáticos de plantas, frutas e outras fontes naturais.
  • Síntese química: utilizada para produzir aromatizantes idênticos aos naturais e sintéticos. Envolve reações químicas específicas para criar compostos que replicam ou imitam sabores naturais.
  • Processos enzimáticos e microbiológicos: utilizam enzimas ou microrganismos para converter substâncias naturais em compostos aromáticos, mantendo a autenticidade do sabor.

Tipos de aromatizantes para alimentos

Os aromatizantes são classificados em três categorias principais: aromas naturais, aromas idênticos aos naturais e aromas sintéticos. Cada tipo possui características específicas e uma ampla variedade de aplicações. Conheça um pouco sobre cada um e veja alguns exemplos de aromatizantes alimentares.

Aromas naturais

Os aromas naturais, como diz o próprio nome, são extraídos diretamente de fontes naturais, como plantas, frutas, vegetais, ervas e especiarias. Eles são obtidos por meio de processos físicos, microbiológicos ou enzimáticos, sem a adição de substâncias artificiais.

Os mais utilizados são:

  • Baunilha: extraída de vagens de baunilha, amplamente utilizada em produtos de panificação, sorvetes e confeitaria.
  • Óleo essencial de limão: obtido da casca de limão, utilizado em bebidas, doces e produtos de limpeza.
  • Extrato de hortelã: derivado de folhas de hortelã, comum em balas, gomas de mascar e bebidas.
  • Óleo essencial de laranja: extraído da casca de laranja, utilizado em bebidas, confeitaria e produtos de panificação.
  • Extrato de amêndoa: extraído da oleaginosa, bastante usado em confeitaria e produtos de panificação.

Aromas idênticos aos naturais

Já os aromas idênticos aos naturais são compostos quimicamente idênticos aos encontrados na natureza, mas são produzidos através de processos sintéticos. Eles oferecem uma alternativa mais econômica e estável aos aromas naturais.

Os mais utilizados são:

Vanilina: o principal componente do sabor de baunilha, produzido sinteticamente para uso em uma ampla variedade de produtos alimentares.

  • Limoneno: um composto encontrado em frutas cítricas, utilizado em bebidas, confeitaria e produtos de panificação.
  • Eugenol: componente do cravo-da-índia, usado em doces, bebidas e alguns produtos de higiene pessoal.
  • Mentol: derivado sinteticamente para replicar o sabor de hortelã, comum em gomas de mascar, balas e produtos de higiene bucal.
  • Benzaldeído: principal componente do sabor de amêndoa, utilizado em confeitaria e produtos de panificação.

óleo essencial de cravo

Aromas sintéticos

Por fim, os aromas sintéticos são compostos químicos criados inteiramente em laboratório e não existem na natureza. Eles são desenvolvidos para mimetizar ou criar novos sabores que não têm equivalentes naturais.

Os mais usados na indústria são:

  • Etil vanilina: uma versão mais potente da vanilina, amplamente utilizada em chocolates, confeitaria e produtos de panificação.
  • Acetato de isoamila: conhecido como o aroma de banana, utilizado em balas, gomas de mascar e bebidas.
  • Metil antranilato: usado para criar o sabor de uva, comum em balas, refrigerantes e sorvetes.
  • Diacetil: produz um sabor de manteiga, utilizado em pipocas de micro-ondas, produtos de panificação e confeitaria.
  • Etil maltol: um aroma que proporciona um sabor doce e caramelizado, utilizado em uma ampla variedade de produtos alimentares, incluindo confeitaria e bebidas.

Relacionado: [Ebook] Tendências em ingredientes para 2024

Quais alimentos precisam de aromas alimentares?

Existem diversos tipos de alimentos que usam aromas alimentares durante a sua produção. Eles são componentes fundamentais para realçar, modificar ou adicionar sabores e aromas nos produtos.

A seguir, confira alguns exemplos de alimentos que possuem aromas:

Bebidas

As bebidas são uma das principais categorias que se beneficiam do uso de aromas alimentares. Eles são usados para criar uma variedade de sabores em:

  • Refrigerantes: aromas como cola, frutas cítricas, frutas vermelhas e uvas são comuns.
  • Sucos e néctares: aromas de frutas naturais são adicionados para intensificar o sabor e a frescura.
  • Bebidas alcoólicas: aromas de frutas, ervas e especiarias são utilizados em licores, vinhos aromatizados e coquetéis.
  • Bebidas energéticas e isotônicas: aromas são essenciais para mascarar sabores desagradáveis de certos ingredientes ativos.

Laticínios

Os produtos lácteos também se beneficiam significativamente da adição de aromas alimentares para melhorar a palatabilidade:

  • Sorvetes e iogurtes: aromas de frutas, baunilha, chocolate e caramelo são comumente adicionados.
  • Queijos processados: aromas podem ser adicionados para intensificar sabores tradicionais ou criar novos perfis de sabor.
  • Leites aromatizados: aromas de chocolate, morango e baunilha são populares entre consumidores de todas as idades.

Snacks

Aromas alimentares são essenciais na indústria de snacks para criar produtos saborosos e atraentes:

  • Batatas fritas e salgadinhos: aromas de queijo, churrasco, cebola, pimenta e especiarias são amplamente utilizados.
  • Pipocas saborizadas: aromas de manteiga, caramelo, queijo e chocolate são comuns para diferentes variações de sabor.
  • Barras de cereal e snacks saudáveis: aromas de frutas, nozes, chocolate e especiarias são adicionados para melhorar o sabor.

Produtos processados

Muitos produtos processados dependem de aromas alimentares para melhorar o sabor e a aceitação do consumidor:

  • Refeições congeladas: aromas são adicionados para simular o sabor de pratos frescos e caseiros.
  • Sopas e molhos instantâneos: aromas de carne, frango, vegetais e ervas são utilizados para enriquecer o sabor.
  • Carnes processadas: aromas de fumaça, especiarias e ervas são comuns em salsichas, presuntos e salames.

Vantagens dos aromatizantes de alimentos

Os aromatizantes oferecem uma série de benefícios que vão além da simples adição de sabor. Eles permitem que os produtores mantenham a consistência e qualidade dos produtos, enquanto exploram uma ampla variedade de sabores e inovações. Veja a seguir algumas vantagens de utilizar a substância durante a produção de alimentos.

barrinhas de cereal vistas de cima

Consistência de sabor

Uma das principais vantagens é a capacidade de garantir a consistência de sabor em todos os lotes de produção. Ao utilizar aromatizantes, os fabricantes podem assegurar que cada produto terá o mesmo perfil de sabor, independentemente das variações nas matérias-primas ou nos processos de produção.

Variedade de sabores

Os aromatizantes permitem uma grande diversidade de sabores, possibilitando a criação de novos produtos e a inovação no mercado alimentício. Com uma vasta gama de opções, as empresas podem atender às preferências e expectativas dos consumidores.

Relacionado: Um terço dos consumidores quer prazo de validade maior nos alimentos

Disponibilidade contínua e vida útil prolongada

Ao contrário de ingredientes naturais, que podem estar sujeitos a sazonalidade e limitações de colheita, os aromatizantes oferecem disponibilidade contínua. Isso é crucial para a produção ininterrupta e a manutenção de estoque constante.

Além disso, eles são criados para ter uma vida útil mais longa em comparação com ingredientes naturais, que podem se degradar rapidamente, o que contribui para a durabilidade dos produtos finais e a redução de desperdícios.

Controle preciso do sabor

Outra vantagem significativa dos aromatizantes é o controle preciso do perfil de sabor. Isso permite ajustes finos para atingir exatamente o sabor desejado, proporcionando uma experiência sensorial perfeita para os consumidores.

Flexibilidade na formulação

Por último, a flexibilidade na formulação de produtos alimentícios permite que os fabricantes experimentem e desenvolvam novas receitas sem as limitações impostas pelos ingredientes naturais.

Por dentro da legislação: aromatizantes alimentares segundo a Anvisa

A RDC nº 2/2007 é o regulamento técnico oficial da Anvisa sobre aditivos aromatizantes, harmonizado entre os Estados-Partes do MERCOSUL. A resolução classifica quais são substâncias naturais e sintéticas, e estabelece as condições de uso desses aditivos.

Apenas os compostos presentes nesta lista podem ser utilizados, garantindo que cada substância tenha sido rigorosamente avaliada quanto à sua segurança.

Para cada tipo de alimento, a Anvisa também estabelece limites máximos de concentração de aromatizantes. Isso é feito para assegurar que a ingestão dessas substâncias permaneça dentro de níveis seguros.

Além da RDC, as empresas devem seguir as Boas Práticas de Fabricação para garantir que os aromatizantes sejam produzidos em condições higiênicas e seguras. Todos devem passar por avaliações toxicológicas para garantir que não apresentem riscos à saúde.

Como informar o uso de aromatizantes nos rótulos de alimentos e bebidas?

A Anvisa exige que aromatizantes utilizados em alimentos e bebidas sejam claramente declarados nos rótulos dos produtos. As informações devem ser apresentadas de maneira clara e legível, permitindo que os consumidores façam escolhas informadas.

A presença da substância deve ser indicada na lista de ingredientes do produto. A palavra “aromatizante” pode ser utilizada, seguida pelo tipo específico, se aplicável (por exemplo, "aromatizante natural de baunilha").

Outro ponto importante é o tamanho da fonte utilizada na rotulagem, garantindo que todas as informações sejam legíveis. O texto também deve ter um contraste adequado com o fundo do rótulo para assegurar a legibilidade.

rótulo de alimento com aromatizantes alimentares

O uso de aromatizantes alimentares permite a criação de produtos saborosos, inovadores e atraentes para os consumidores. Esses aditivos oferecem vantagens significativas para a indústria, mas para garantir que esses benefícios sejam aproveitados de forma segura, é crucial seguir rigorosamente as normas estabelecidas pela Anvisa.

LEIA MAIS

  1. O que é que a baunilha tem?
  2. [Ebook] Tendências regulatórias no setor de alimentos e ingredientes para 2024
  3. Alimentos que contém cobre: qual a quantidade permitida no Brasil?
  4. [Ebook] Soluções para a substituição do dióxido de titânio
  5. Brasil publica norma consolidada para aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia
Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar