Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Ingredientes transgênicos: mitos e verdades

Ingredientes transgênicos mitos e verdades.jpg
Cada vez mais presente na indústria de alimentos, o organismo geneticamente modificado ainda gera muitas dúvidas para os consumidores.

Estampado na embalagem de diversos alimentos, o triângulo amarelo com um “T” em preto no centro sinaliza a presença de ingredientes transgênicos, cada vez mais usual na indústria alimentícia. Mas ainda existem muitas dúvidas que permeiam o assunto, principalmente em relação aos mitos e verdades.

Os principais alimentos transgênicos comercializados no Brasil hoje são a soja, o milho e o algodão, presentes nos óleos de cozinha, margarinas, massas, biscoitos e cereais, entre outros. 

Para esclarecer algumas questões sobre os alimentos transgênicos, também conhecidos como organismos geneticamente modificados ou OGMs, entrevistamos a nutricionista Amanda Sirena (CRN2 15217).

Amanda explica que “os alimentos transgênicos são aqueles que tiveram o seu material genético (DNA) modificado a partir da introdução de um gene de outro organismo ou, então, que apresentam um ingrediente ou matéria-prima que tenha passado por esse processo”.

Ou seja, os transgênicos são itens geneticamente modificados produzidos em laboratório, por meio de técnicas de engenharia genética, que permite aos cientistas inserirem genes de uma espécie diferente em um organismo para que ele obtenha novas características.

 

Os benefícios dos transgênicos para a indústria alimentícia

Os ingredientes transgênicos trazem diversos benefícios para a indústria alimentícia, conforme listou a nutricionista:

  • Capacidade de produzir sementes com maior qualidade nutritiva;
  • Maior resistência aos agrotóxicos, inseticidas, herbicidas e pragas;
  • Redução de custos de produção;
  • Expansão do conhecimento científico;
  • Diminuição na quantidade de agrotóxicos utilizados na plantação;
  • Ajuda no desenvolvimento de terapias, tratamentos e métodos para diagnosticar doenças, terapias e vacinas.

 

Os riscos a serem considerados

Apesar dos benefícios apresentados, existem riscos a serem considerados, como a possibilidade do desenvolvimento de problemas de saúde, pois não foram divulgados estudos conclusivos sobre os malefícios para humanos. O transgênico também pode aumentar a resistência dos seres humanos aos antibióticos. 

Para o meio-ambiente, existe o risco da perda de biodiversidade e o desaparecimento de espécies e contaminação de sementes, já que os transgênicos são mais fortes que as espécies convencionais. 

As culturas geneticamente modificadas incentivam o surgimento de pragas mais resistentes e podem apresentar ocorrência de poluição do solo, da água e do ar.

Essas grandes plantações ainda prejudicam o pequeno produtor rural, pois espécies transgênicas são protegidas por patentes.

 

Legislação brasileiras sobre alimentos transgênicos

Sirena conta que, no Brasil, existe uma legislação específica para a rotulagem de transgênicos.

De acordo com o Decreto n° 4.680 de 24/04/2003, todo alimento ou ingrediente alimentício que contenham, ou sejam produzidos a partir de organismos geneticamente modificados, com presença acima do limite de 1% do produto, devem informar a natureza transgênica desse produto ao consumidor.

Essa informação deve estar no painel principal do rótulo através de uma das seguintes expressões: “Contém (nome do ingrediente ou ingredientes) transgênico(s)" ou “Produto produzido a partir de (nome do produto) transgênico".

 

Leia também: Rotulagem de transgênicos e a polêmica sobre sua permanência

 

Mitos e verdades sobre os alimentos transgênicos

 

Transgênico causa câncer.

Mito. “Não existem estudos que comprovem essa relação. Os transgênicos não causam nenhuma interferência no crescimento de tecidos ou qualquer outra característica que possa ser associada ao câncer”, destaca a nutricionista Amanda Sirena.

 

Não sabemos quando estamos ingerindo alimentos transgênicos.

Mito. Sirena explica que, “Conforme o Decreto Federal 4.680, publicado em 2003, alimentos que tenham em sua composição mais de 1% de organismos geneticamente modificados devem ter no rótulo o ícone identificador: um triângulo amarelo com um T no centro”.

 

Inseticidas transgênicos só atingem insetos, não pessoas ou animais.

Verdade. “Esses inseticidas usam uma toxina encontrada em bactérias, que se dissemina quando entra em contato com uma proteína que só existe no intestino de insetos. Os seres humanos e os animais não têm essa proteína receptora”, explica a nutricionista.

 

OGM afeta o meio ambiente

Verdade. “O Greenpeace aponta que um organismo geneticamente modificado, quando liberado no meio ambiente, passa a não ser mais controlado, o que significa que acarretará mudanças ao crescer e se multiplicar, interagindo com a biodiversidade e todo um ciclo de seres vivos”, finaliza Sirena.

 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar