Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

FiSA: New Product Zone aborda carne de cultivo e seus impactos ambientais

Article-FiSA: New Product Zone aborda carne de cultivo e seus impactos ambientais

New Product Zone aborda carne de cultivo e seus impactos ambientais.png
Palestrante do SENAI aborda o impacto da carne cultivada no setor, enfatizando benefícios ambientais e a transformação do mercado de trabalho. "A ideia é aumentar a disponibilidade de alimentos e não competir".

No cenário em constante evolução da indústria alimentícia, avanços tecnológicos estão permitindo abordagens inovadoras e mais sustentáveis para a produção de alimentos. O assunto é abordado nas palestras que ocorrem no New Product Zone, espaço na Food ingredients South America (FiSA) onde tendências em consumo e comportamento são discutidas com a  presença de especialistas da indústria.

José Paulo Castilho, Coordenador de Tecnologia do Instituto SENAI de Inovação e Biotecnologia, lança luz sobre a promissora arena da carne de cultivo e seus efeitos tanto no meio ambiente quanto na sociedade. O especialista discutiu as origens da carne cultivada, que incluem a utilização de células retiradas do próprio animal e o processamento de vegetais, seguidos por preparo e tratamento térmico em pressão para obter um produto o mais próximo possível da carne convencional.

Um dos benefícios ambientais mais significativos é a redução do consumo de água quando comparado à produção convencional de carne bovina e de peixes. Além disso, a carne de cultivo exibe melhor desempenho na produção de gases de efeito estufa e causa menor carga poluidora, contribuindo para a redução do uso da terra. 

Ele destaca duas abordagens fundamentais para a criação de carne cultivada: células retiradas do próprio animal e o processamento de vegetais, que passam por tratamento térmico e pressão para resultar em um produto o mais próximo possível da carne tradicional.

“A ideia é aumentar a disponibilidade de alimentos para as pessoas e não competir um alimento com o outro”, acrescenta ao relacionar os impactos sociais. Ele destaca a previsão de um crescimento substancial no mercado até 2031, com um aumento estimado de 166 bilhões de dólares nos Estados Unidos, bem como mudanças nos hábitos alimentares em países ricos e entre as gerações mais jovens.

São justamente essas previsões que levantam uma questão importante: embora os impactos ambientais sejam promissores, será necessário um meio de produção mais robusto para garantir esses benefícios? Castilho aponta que, caso a produção mantenha-se em níveis farmacêuticos, ou seja, em pequenas quantidades, os custos podem ser mais elevados em comparação aos métodos tradicionais.

Outra preocupação existente é quanto ao mercado de trabalho na indústria pecuária. Segundo o especialista, a expectativa é a de que as principais transformações sejam observadas entre os trabalhadores rurais, mas com a ponderação de que, ao mesmo tempo, novas fontes de empregos relacionados à tecnologia empregada serão impulsionadas.

A discussão sobre carne de cultivo também traz à tona questões éticas e práticas que envolvem o tratamento de animais e a sustentabilidade da terra. A perspectiva é que rebanhos menores possam ser mantidos, o que, por sua vez, também pode gerar novos empregos.

Relacionado: Carne cultivada: saiba tudo sobre a solução em proteína sem abate animal

No pavilhão, ingredientes naturais e funcionais chamam atenção

Eles ainda nem chegaram às prateleiras dos supermercados, mas já surpreenderam os visitantes da FiSA. Quem passou pelo estande da Concepta Ingredients, unidade do Grupo Sabará especializada em soluções naturais para a indústria de alimentos e bebidas, conheceu em primeira mão a manteiga feita com óleo de babaçu e o brownie preparado com castanha-do-brasil quebrada. Os ingredientes naturais são algumas das novidades apresentadas pelo expositor, que já participa do evento há diversas edições.

Para o diretor comercial André Sabará, a FiSA é a cara da empresa. “Fazemos questão de trazer alguns lançamentos para a feira, que todos os anos reúne os nossos parceiros, clientes, fornecedores e organizações com as quais nos relacionamos. É um evento que nos ajuda muito a participar mais do mercado”, comenta o executivo, lembrando que a Concepta está concorrendo ao prêmio Estande Sustentável.

Chocolate que emagrece?

Outra novidade apresentada na FiSA 2023 foi o chocolate vegano 70% com extrato de laranja moro. O produto fez sucesso no estande da Aunare – que significa “vida”, em tupi guarani –, fornecedora de ingredientes healthcare. Para esta edição, a marca trouxe protótipos de alimentos com insumos já aplicados, mostrando ao mercado o que cada ingrediente pode fornecer em benefícios e inovação. Também chamou a atenção dos visitantes a pipoca com extrato de levedura, que pode reduzir em até 78% a quantidade de sódio e realça o sabor do alimento, auxiliando também a indústria com a eliminação da lupa de “alto em” nas embalagens, conforme determina a nova regulamentação.

A gerente do segmento healthcare, Natália Zampiere, explica que o chocolate 70% feito com um ingrediente derivado do extrato de laranja moro possui efeitos antioxidantes e antiadipogênicos, auxiliando na regulação do metabolismo e promovendo a queima da gordura localizada. Para a diretora comercial da empresa, Adriana Ramos, estar na FiSA é uma excelente oportunidade de expandir os negócios. “Participamos pela primeira vez no ano passado e o nosso faturamento aumentou cinco vezes em relação a 2021. Para o próximo ano queremos ampliar nosso espaço no evento e fechar mais negócios”, revela.

Para o mercado de nutricosméticos, que sempre buscou uma solução 100% efetiva e vegana, o VecoNare, também lançado na FiSA pela Aunare, é uma ótima alternativa. O produto, que possui o mesmo perfil de aminoácidos encontrados no organismo humano, foi apresentado na forma de bombons fabricados com o insumo. Adriana Ramos reforça que o VecoNare é o precursor de colágeno vegano. “É o nosso diferencial. Aqui, somos os distribuidores exclusivos deste ingrediente e estamos sendo muito procurados”, comemora.

Espelho, espelho meu

Grande fornecedora de gelatina e colágeno e habitual expositora da FiSA, a GELITA destaca na edição de 2023 seu peptídeo bioativo de colágeno VERISOL®, que atua de maneira otimizada na saúde da pele. O ingrediente é o único colágeno com essa alegação funcional autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), podendo ser incorporado a diversas formulações de suplementos e, agora, também de alimentos convencionais e bebidas. Uma atração que tem chamado a atenção no estande da empresa é um robô que interage com os visitantes. Por meio de uma câmera, ele captura traços fisionômicos, processa os dados usando inteligência artificial e tenta adivinhar a idade aproximada das pessoas. A taxa de sucesso é de quase 90%.

[FiSA]---Banner-Sites-Gif-Credenciamento_1140x80px.gif

Serviço

Data: 8 a 10 de agosto de 2023
Horário: terça à quinta-feira das 13h às 20h
Local: São Paulo Expo
Promoção e Organização: Informa Markets Brasil

 

LEIA MAIS

  1. Proteínas alternativas se destacam com novas tecnologias
  2. Dá para salvar o mundo com chocolate? FiSA destaca práticas sustentáveis na produção de chocolate
  3. Produção de ingredientes naturais é tema do segundo dia do Summit Future of Nutrition
  4. Fi South America 2023 estreia com atrações e produtos voltados para sustentabilidade e saudabilidade
  5. Summit Future of Nutrition debate o tema inovação com sustentabilidade
Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar