Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

FiSA mostra o poder da liderança feminina no Women’s Networking Breakfast

Article-FiSA mostra o poder da liderança feminina no Women’s Networking Breakfast

FiSA mostra o poder da liderança feminina no Women’s Networking Breakfast.png
Primeiro café da manhã só para mulheres da FiSA dialoga com ‘Barbie’, o filme do momento, e mostra que o poder feminino pode mudar o mundo - e a indústria de alimentos do Brasil

No live-action de Barbie, Barbieland é o mundo fictício liderado por mulheres. Lá, elas são presidente, detentora de prêmios Nobel, médica, bombeira e até mesmo mãe. Por quê não? O mundo de ordem e autonomia feminina, contudo, passa por uma turbulência quando o Ken (Ryan Gosling) descobre o que é o patriarcado e ameaça substituir a então normalidade girl power. Para retomar o poder, as mulheres precisam se unir, na mais lúdica demonstração de que a união faz a força e que sororidade é a palavra da vez. 

A síntese do que é o mundo da protagonista interpretada por Margot Robbie foi vista na prática na manhã do dia 9 de agosto, no primeiro Women 's Networking Breakfast da Food ingredients South America (FiSA). Durante os painéis e bate-papos, a liderança feminina se apresentou com normalidade e autenticidade, numa intenção de fazer o patriarcado, ainda presente na indústria de alimentos e bebidas, dar mais espaço para elas e se transformar na almejada equidade de gênero.

Para isso, foram debatidos assuntos como os caminhos para fomentar a inovação na indústria, liderança feminina, visão estratégica dentro das empresas e a construção de uma cultura organizacional mais atenta às pessoas e ao planeta. Na ‘Barbieland’ da FiSA, elas estão no chão das fábricas, nas lideranças, servindo de inspiração para outras mulheres e também maternando.

Abraçar o mundo: é possível mesmo?

Women’s Breakfast FiSA (2).png

Antes, as mulheres estavam acostumadas a dar conta de tudo — ou pelo menos tentar fazer isso. A partir do momento em que elas alcançam cargos de poder e passam a aplicar, na prática, o conceito de empatia com suas próprias questões e para com seus pares, o jogo muda. Mas as empresas também podem fazer a sua parte e deixar o ambiente de trabalho mais acolhedor.

Para Vivian Novaes, diretora de Marketing da Danone, sua virada de chave na estratégia em lidar com o time veio a partir do entendimento de que somos como “pêndulos” e não como “balanças” que precisam equilibrar vida pessoal e carreira.

“Tenho falado muito isso: encarem que teremos momentos, como uma volta de licença maternidade, nos quais a maternidade vai pesar mais. Mas em alguns outros momentos a carreira vai gritar um pouco mais porque você recebeu um desafio novo, porque você está em um momento novo. Então, que a gente exerça o papel de pêndulo. Mas não somente com a gente; com o nosso time”, explanou. Vivan participou de conversa mediada por Eliana Cassandre, co-fundadora do movimento Uma Sobe e Puxa a Outra.

Presente no café da manhã, Carolina Riotto, diretora de Marketing da Unilever, fez questão de destacar que costuma ser abordada por pessoas da sua equipe que lhe indagam: “Como você dá conta de tudo?”. Franca, a mãe de duas crianças ainda pequenas revelou que simplesmente não dá, mas teve o seu tempo para focar mais nos filhos.

Na empresa onde ela trabalha, após cumprir a licença maternidade de seis meses, pôde fazer a chamada part-time, jornada de meio período, por mais seis meses. Ela afirma que esse tempo foi fundamental para que ela se organizasse física e mentalmente para retornar ao ofício com todo o gás.

"Eu estava muito mais em paz comigo mesma e feliz. Falando: quero focar na carreira que eu tanto amo. Voltei, foquei e um ano depois fui promovida de novo. Então eu digo: é possível conciliar carreira e maternidade, mas é possível quando a gente encontra espaço e entendimento de que há momentos para exercer os diferentes papéis. Encontrar ambientes abertos a isso vai fazer com que dê tudo certo”, salienta a representante da Unilever.

Será que então a solução para todos os males das mulheres no ambiente de trabalho é o part-time? Longe disso. Para entender a necessidade de cada indivíduo, o agir deve se dar de forma acolhedora, através de um exercício que pode ser muito simples: o da escuta. 

“Esse processo do equilíbrio, da autopercepção, do autodesenvolvimento, de entender que somos pendulares o tempo inteiro, isso a equipe sente e vê o tempo inteiro, mas nem sempre verbaliza. Mas é o modelo: o exemplo e o impacto. Como a gente se percebe, é também como a equipe se percebe. Então esse diálogo, a empatia, a segurança psicológica são fundamentais para que esse modelo aconteça da melhor forma”, acrescenta Michele Salles, diretora de diversidade, equidade, inclusão e saúde mental da Ambev.

Ainda segundo Michele, uma escuta atenta de líderes e gestores é capaz de trazer impactos diretos na produtividade dos funcionários e inclusive na cultura organizacional da empresa. Dessa forma, é possível identificar problemas e pensar em soluções que atendam às demandas do colaborador, como foi o caso do part-time descrito por Carolina na Unilever, por exemplo. 

Quando o assunto é inovação, tem dedo delas!

Women’s Breakfast FiSA.png

Ariana Maia, sócia-fundadora da Inovamate, desenvolve seu trabalho com a erva mate na cidade de Ilópolis, no Rio Grande do Sul, que tem apenas 4 mil habitantes. Em um local tão restrito, como inovar com uma erva tão consumida e enfrentar a resistência para a tradicional matéria-prima do chimarrão? 

Às vezes, o projeto chega à universidade e vira trabalho de conclusão de curso de graduação, pós-graduação e mestrado. Mas a inovação se dá também no modo de pensar e influenciar pessoas. 

“Trabalhar com a comunidade essas novas formas e potencialidades de uma erva culturalmente tão apreciada, isso para mim está muito atrelada à ideia de inovar, que também vem do aprender o tempo inteiro”, destacou a convidada, cuja empresa une natureza e ciência para extrair o maior número de benefícios da erva mate.

Roberta Suplicy, Fundadora Urban Remedy, citou que seu maior desafio à frente da marca é manter a essência do seu produto, natural e fresco, por mais tempo nas prateleiras do consumidor sem usar de aditivos e componentes que ponham em xeque a saúde, pilar inegociável para a marca. 

Para inovar a tecnologia vira aliada nessas questões. Mas o boca a boca também entra no jogo. A marca passou a trabalhar em parceria com médicos e nutricionistas, e desenvolveu protocolos assinados por profissionais de saúde do hospital Albert Einstein, em São Paulo. Deste modo, conseguiram atender os clientes mais exigentes e ampliar a saudabilidade em um match carimbado com quem entende do assunto. 

Roberta Suplicy entende que todos os indivíduos, e logicamente as mulheres, têm um superpoder: escolher o que vai comer todos os dias. “Isso vai impactar não só na sua saúde, como no que você vai encontrar na prateleira no futuro”, semeou a empresária, que participou de painel mediado por Carol Falkoski, gerente de Inovação Aberta da Nestlé, com presença de Eloisa Garcia, diretora geral do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital). 

 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar