Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Mercado de reciclagem animal: Oportunidades e desafios

reciclagem animal.jpg
Saiba mais sobre o mercado, interno e externo, de reciclagem animal e entenda quais são as principais oportunidades e desafios.

O Brasil é um dos líderes mundiais quando o assunto é reciclagem de papel, garrafas pet e alumínio. Mas, o que poucas pessoas imaginam ou não sabem é que existe uma indústria gigantesca de reciclagem animal.

No Brasil, este setor recicla ao ano 100% dos resíduos derivados de estabelecimentos de abate e estabelecimentos varejistas. Esse mercado produz 5,6 milhões de toneladas de farinhas e gorduras e movimenta mais de R$ 8 bilhões por ano no país.

Exatamente por isso é facilmente perceptível verificar que há muitas oportunidades para o setor, mas há também alguns desafios que precisam ser superados, principalmente em tempos de pós-pandemia.

Saiba mais sobre o setor de reciclagem animal no Brasil e entenda os principais desafios que serão colocados à prova para que essa indústria continue crescendo.

Mercado de reciclagem animal no Brasil: A pandemia não causou sérios efeitos

No Brasil e em boa parte do mundo, a pandemia foi e continua trazendo efeitos devastadores para a economia brasileira, com todos os setores sofrendo com consequências, mas o mercado de reciclagem animal não sofreu tanto com os efeitos.

Segundo Decio Coutinho, Presidente Executivo da Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA), antes da pandemia mercado de reciclagem animal, interno e externo, seguia com perspectivas muito positivas. Mas, com a chegada da pandemia, apenas o mercado de gorduras sentiu maior impacto. “O mercado de farinhas, tanto para consumo no Brasil quanto para exportação, se manteve com relativa estabilidade, mas a impressão é de que não vamos atingir o crescimento esperado para 2020”, explica.

No caso das exportações, atualmente o principal produto exportado e carro chefe é a farinha de aves. Como exemplo, o presidente da ABRA cita que somente no primeiro semestre, foram exportadas 95 mil toneladas de farinhas em geral. “Cerca de 85% disso era farinha de aves”, Coutinho completa.

Todos os nossos produtos são muito demandados no mercado internacional pela qualidade que apresentam, além das garantias sanitárias. “Temos um cenário atual, de modo geral, estável. Tivemos crescimento no abate de aves e suínos, apesar da diminuição do abate de bovinos que afetou algumas regiões e indústrias que trabalham com esse produto, mas que agora estão em plena recuperação”.

A análise do setor indica que há oportunidades, mas com desafios

O impacto da pandemia no setor de reciclagem animal criou situações adversas que demandam muita análise e busca por novas alternativas. Mas o mercado de reciclagem de subprodutos animais é muito grande e sempre haverá oportunidades.

Para Décio Coutinho, há quatro grandes mercados em evidência dentro do ramo da reciclagem animal: produção animal, biodiesel, Pet food e Higiene e Limpeza. Mas o presidente da ABRA indica que o mercado internacional precisa ser observado com bastante carinho. “As oportunidades de negócios estão nos mais diversos seguimentos atendidos pelos produtos gerados da reciclagem animal que têm qualidade e sanidade com alta tecnologia”, complementa.

Mas, apesar disso, o setor terá que enfrentar desafios internos e externos. Segundo o presidente da ABRA, no Brasil o grande desafio é a regulamentação do setor que está em transição.

Já no mercado internacional Coutinho explica que como principais países compradores dos produtos do setor de reciclagem animal, temos: Chile, Vietnã, Estados Unidos, Colômbia, África do Sul, Argentina, entre outros.

Uma das atividades desenvolvidas para que os principais desafios internacionais sejam melhores entendidos e solucionados são as participações das empresas associadas exportadoras em eventos internacionais, nos países prioritários/países-alvo que foram definidos pelas próprias empresas participantes dentro do Comitês Gestor do Projeto e Câmara de Comércio Exterior (CAMEX-ABRA). “Atualmente os países a serem trabalhados são: Indonésia, China, Tailândia, Coréia do Sul, Rússia, México e Peru”, complementa Coutinho.

Segundo o presidente da ABRA outro desafio é buscar êxito total nas Missões internacionais que vêm ao Brasil para habilitação e/ou reabilitação das indústrias do setor. “Com a pandemia novas formas de fazer estas habilitações estão sendo criadas e a ABRA está atenta e preparada para as mudanças que possam vir”, indica.

Por fim, ainda, é um desafio a manutenção da imagem positiva do setor construída através do projeto Brazilian Renderers ao longo dos últimos 8 anos. “Nesse sentido continuaremos trabalhando”, finaliza.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar