Food Connection faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Certificação para frigoríficos: quais visam atender comunidades específicas?

certificação de carnes.png
Saiba quais são os tipos de certificação para frigoríficos que atendem comunidades específicas ou que atestem características específicas de produtos cárneos.

Durante muitos anos, a agroindústria brasileira teve questionada a qualidade de seus produtos de origem animal. Mas isso já ficou no passado e hoje o setor atua em outro patamar, principalmente devido aos diferentes tipos de certificação sanitária para frigoríficos que garantem a segurança alimentar do consumidor nacional e internacional.

Porém, diante de um cenário de exportações crescentes, acentua-se ainda mais a necessidade de as empresas brasileiras do agronegócio buscarem certificações específicas para atender aos rumos que acenam para o setor, principalmente no atendimento de comunidades específicas ou para atestar características relacionadas ao produto e ou rastreabilidade deste.

Listamos quais os tipos de certificação para frigoríficos que permitem que o setor atenda o mercado consumidor de diferentes comunidades ou que ateste características específicas de um produto.

1: SISBOV

O Sistema Brasileiro de identificação individual de bovinos e búfalos foi criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), para que seja utilizado como uma ferramenta de controle sanitário para fiscalizar as propriedades rurais que querem produzir e comercializar suas carnes para o mercado mundial.

Francine Sampietro, Coordenadora de operações de Carnes da Sanity Consultoria & Treinamento, explica que o SISBOV é o sistema oficial de identificação individual de bovinos e búfalos. “Sua adesão, pelos produtores rurais, é voluntária, exceto quando definida sua obrigatoriedade em ato normativo próprio, ou exigida por controles ou programas sanitários oficiais”.

Atualmente, a Instrução Normativa MAPA nº 51, de 1 de outubro de 2018, aprova a norma operacional que é utilizada para embasar a certificação oficial brasileira para países que exijam a rastreabilidade individual de bovinos e búfalos.

2: Certificação Halal

Antes de falarmos da certificação para frigoríficos Halal, cabe citar o significado dessa palavra. Francine Sampietro explica que Halal ( حلال ) no idioma árabe significa permitido, autorizado, lícito, legal, dentro da lei. “O certificado para frigoríficos Halal está de acordo com as regras estabelecidas pela Lei Islâmica (Shariah) que rege os costumes e à vida diária dos muçulmanos”.

Assim, o Certificado Halal é um documento fiel de garantia emitido por uma instituição certificadora Halal reconhecida por países islâmicos, para atestar que a empresas, processo e produtos seguem os requisitos legais e critérios determinados pela jurisprudência islâmica (Sharia).

Para frigoríficos, a Certificação Halal atesta que determinado produto respeitou um conjunto de regras em todas as suas etapas de produção e industrialização. Com isso, quando um consumidor islâmico adquire um produto cárneo com a certificação Halal, saberá que ele foi produzido respeitando as regras estabelecidas por sua religião.

3: Certificação Kosher

De forma literal, Kosher significa ”próprio ou correto”. Francine explica que o termo é usado para descrever o alimento permitido de acordo com as leis alimentares judaicas, que são bem específicas. “Os detalhes de kashrut (o conjunto de leis relativos a comidas e bebidas) são muito extensos”, lembra a especialista.

Esse certificado para frigoríficos (ou qualquer outra indústria de alimentos e bebidas) é mundialmente reconhecido e atribuído como sinônimo de controle máximo de qualidade e representa um documento emitido para atestar que os produtos fabricados por uma determinada empresa obedecem às normas específicas que regem a dieta judaica ortodoxa.

Por essa razão, o processo de emissão para um Certificado Kosher depende da colaboração e total transparência nas informações que serão permutadas entre a empresa que fabrica o produto e a entidade judaica que emitirá o documento.

A modo de curiosidade, vale citar que a comida que não estiver de acordo com a lei judaica é chamada de treif ou treyf.

4: Certificado Angus

Saindo das exigências de comunidades específicas, há também aqueles certificados para frigoríficos que vão atestar a qualidade ou a rastreabilidade de produtos cárneos. Esse é o caso do Programa Carne Angus Certificada.  

Francine Sanpietro explica que o Programa Carne Angus Certificada foi criado em 2003 pela Associação Brasileira de Angus, inspirado no Certified Angus Beef ® dos Estados Unidos da América. “O projeto foi idealizado com o objetivo de valorizar o produtor rural e ofertar ao consumidor uma carne com garantia de qualidade. No ano de 2007, o programa tornou todo o processo de certificação auditável em nível internacional, sendo o primeiro programa de carnes do Brasil a atender este nível de excelência”, explica Francine.

Na atualidade, o programa é um sucesso. Mais de 40 unidades frigoríficas de 13 frigoríficos são parceiros do programa, incluindo os principais frigoríficos do país, em 12 estados brasileiros, que conta com mais de 5 mil produtores beneficiados.

Os pré-requisitos para o animal ser certificado como Angus são claros: mínimo de 50% de genética Angus, animais jovens, com cobertura de gordura mínima mediana e conformação de carcaça adequada.

ColaboraramRicardo Fernandes, Alexandre Panov Momesso, Daniel Bertuzzi Vilela e Cleober Fazani

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar